até que um choque asteróide

...abrevie a humana demência
https://solstag.blogspot.com/
 

silence!


Silêncio, um estranho companheiro. Que negamos ao pronunciá-lo como som, ao escrevê-lo como palavra, ao pensá-lo como idéia. E ainda assim, sua presença em cada um e em cada conjunto é o que nos confere uma esfera íntima. Conhecemos alguém através do silêncio que se forma quando estamos juntos; sozinhos em nosso silêncio, conhecemos a nós mesmos. O animal humano compartilha o silêncio, quando às vezes este preenche o vazio, às vezes revela o presente. Através dele, amizades adquirem realidade, indivíduos também. Pois sem ele estaríamos sós, isolados do mundo e de nossa própria presença; uma não existência.

Uma Upanishad diz: "Tira a plenitude da plenitude, e a plenitude restará."

O silêncio nos acompanha ainda que o deixemos para trás. Ele está nos gritos de prazer e no sabor das melancias, está nesta palavra e em todos os textos, nos abraços apertados ou apressados e nas conversas longas e curtas. Ele está conosco quando nos aquietamos ao lado de quem amamos; em sua forma mais perceptível.

E como dizem por aí, o silêncio, além de tudo isso, é sagrado.



Reflexos:
.



.




.



silêncio...

 
Postar um comentário

<< Home

Museu de Grandes Novidades

Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Julho 2006   Maio 2007   Junho 2007   Agosto 2007   Outubro 2007   Dezembro 2007   Janeiro 2008   Fevereiro 2008   Maio 2008   Junho 2008   Outubro 2008   Janeiro 2009   Fevereiro 2009   Abril 2009   Julho 2009   Outubro 2009   Dezembro 2009   Fevereiro 2010   Setembro 2010   Janeiro 2011   Abril 2011   Julho 2011   Agosto 2011   Outubro 2011   Fevereiro 2012   Abril 2012   Setembro 2012   Novembro 2012   Fevereiro 2013   Maio 2013   Março 2015   Setembro 2015   Dezembro 2015  

This page is powered by Blogger. Isn't yours?